Juízes pernambucanos fizeram mobilização no Recife

Na manhã desta segunda-feira (15), no auditório do Fórum Rodolfo Aureliano (Joana Bezerra), os juízes pernambucanos realizaram um dia de mobilização da categoria. A decisão foi tomada em Assembleia Geral Extraordinária promovida pela Associação dos Magistrados de Pernambuco (AMEPE).

O dia de mobilização se deve ao fato da magistratura do Estado ter a pior remuneração do país, com vencimentos inferiores a outras instituições do Judiciário, como por exemplo, o Ministério Público. Para minimizar essa defasagem salarial a AMEPE propôs ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) que fosse encaminhada à Assembleia Legislativa de Pernambuco um projeto de lei para a redução da diferença de entrância entre os magistrados do 1º e 2º Graus.  

Em maio deste ano, o presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), desembargador Frederico Neves se comprometeu, durante um encontro com magistrados, a enviar ao pleno do Tribunal o projeto de lei para redução da diferença de entrância. Mas o projeto não foi sequer levado à votação no pleno do TJPE.

Segundo o presidente da AMEPE, desembargador Antenor Cardoso “a carreira de juiz está desestruturada pela defasagem salarial que está em torno de 30%. Pernambuco, junto com o Amazonas e o Rio Grande do Sul, são os únicos com a diferença de entrância de 10%. Na maioria dos estados a diferença é de 5% e em alguns estados não há nenhuma diferença, sendo que, o último Tribunal já encaminhou à Assembleia Legislativa Projeto de Lei para a redução”, ressalta Antenor Cardoso.

A AMEPE entende que a justificativa do TJPE de falta de recursos para implementar a diferença de entrância não tem fundamento  já que o projeto para criação de novos cargos de desembargadores apresentado pela presidência do TJPE foi aprovado, em maio, fazendo surgir  novas despesas geradas com a criação de cargos como de assessor, técnicos e secretários, além das novas instalações físicas. As despesas estão estimadas em cerca de R$ 20 milhões anuais, enquanto a redução de entrância resultaria uma despesa em torno de R$ 14 milhões por ano”, argumentou Antenor Cardoso ressaltando ainda que a redução da diferença de entrância atingiria principalmente os magistrados aposentados, que não têm verbas incorporadas aos vencimentos.

Postagens mais visitadas deste blog

Coluna do #PautaPolíticaPE

Paulo Câmara anuncia o segundo escalão do Governo de Pernambuco

Coluna do #BlogPautaPolítica

João Fernando Coutinho terá grupo político participando das eleições 2020 para prefeitura de Pesqueira

Grupo repudia tentativas de censura na Paixão de Cristo de Casa Amarela em Recife

Produção de petróleo e gás natural em 2018

2ª semana de janeiro tem superávit de US$ 1,766 bilhão na balança comercial brasileira

Silvio Costa Filho propõe criação de Frente Parlamentar em defesa do Pacto Federativo

Coluna do #PautaPolíticaPE

Paulo Câmara recebe senadores para debater projetos prioritários para Pernambuco