#Opinião: O comércio de terras urbanas em Jaboatão é uma realidade informal

Alagoa Olho D'água em Jaboatão é também um lugar de especulação, se por um lado o pobre trabalhador ocupa, no outro, a classe média, gentrifica. Mas o pior não está nesta relação que envolve a especulação mobiliária e a relação de classes sociais, ou seja, existe algo mais profundo nesta relação entre ocupação e demanda econômica da habitação. O que existe é um tráfico de terras, onde as áreas verdes, as reservas ambientais são jogadas nas mãos de atravessadores, sujeitos sociais que invade essas terras ou compra com valores primários e revendem sem nenhuma fiscalização municipal. 

Aqui em Jaboatão a questão da regularização fundiária é deixada para as soluções piratas, onde acontece a relação de micros forças políticas. Ter acesso à terra legal é quase impossível, ou seja, em Jaboatão ter acesso a documentação estrutural de um espaço privado, é ter contato com mercado paralelo da escritura de terrenos. O que era pra ser um direito tornasse oferta de lucro para determinadas forças econômicas do mercado informal da terra.

Por Alexandre Roseno (Ambientalista)