Condução coercitiva é discutida na Câmara de Vereadores do Recife

Um requerimento da vereadora Marília Arraes (PT) sobre a transcrição nos anais da Câmara de um artigo publicado no Diario de Pernambuco, provocou grande debate a respeito da política nacional, na reunião plenária desta terça-feira, 15. O texto “Condução coercitiva e a lei brasileira”, de autoria do advogado criminal Ademar Rigueira Neto, circulou na edição do último dia 06, e traz críticas à forma como ocorreu o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta 24ª fase da Operação Lava Jato da Polícia Federal (PF).

Embora admitindo que achou correto os atos da PF, o vereador André Régis (PSDB) disse que votaria a favor da transcrição do artigo nos anais da Casa. Antes, porém, discorreu sobre a política econômica nacional e as suas consequências para o agravamento da crise, que “prejudica não só o crescimento econômico, como os salários dos servidores públicos de todo o país”. Ele também aproveitou a ocasião para afirmar que faria diferente da bancada do PT, quando no ano passado votou contra um requerimento de sua autoria que solicitava a transcrição de um artigo contrário ao governo federal.

Mas o vereador Jurandir Liberal (PT) explicou que no episódio anterior, a bancada petista se posicionou contra o requerimento, por se tratar de um pedido de votos de aplauso e não a transcrição do texto. O parlamentar também aproveitou a ocasião para criticar o governo do PSDB e alguns políticos. “Querem tirar a presidente Dilma para encerrar a Lava a Jato e não permitir que a Operação chegue a figuras do partido”.

A opinião foi compartilhada por Henrique Leite (PT) que pontuou que “nos 30 anos de política e de polícia civil, nunca tinha visto alguém ser conduzido de forma coercitiva quando se dispõe a depor”, afirmou, se referindo a forma coercitiva para o depoimento do ex-presidente Lula. Já o seu companheiro de bancada, o vereador Osmar Ricardo (PT), fez questão de relatar casos de corrupção envolvendo políticos de outros estados do Brasil que, segundo ele, não tiveram a devida apuração. “Só querem investigar o PT que criou melhores bases sociais, cuidou da educação e diminuiu a desigualdade”.

Contrário ao conteúdo do artigo, o vereador Wanderson Florêncio (PSDB) ressaltou que votaria favorável a transcrição do texto nos anais da Casa, mas fez questão de dizer que contesta “com veemência a defesa de um governo corrupto”. Para ele o Partido dos Trabalhadores precisa “se recriar, se refundar”.

A autora do requerimento Marília Arraes explicou o artigo de Ademar Rigueira Neto e criticou o que chamou de “prática da indignação seletiva, que é quando a mídia leva as pessoas a se indignarem com atos de alguns e não com os mesmos atos, praticados por outros”. Defendeu “o posicionamento lúcido do advogado e a forma isenta com que ele defende as suas ideias”. Enalteceu a população que se mostrou contrária a políticos, que foram citados na Lava Jato, mas que compareceram às manifestações do último domingo.

Com informações da Ascom/CMR

Postagens mais visitadas deste blog

Coluna do #BlogPautaPolítica

Paulo Câmara anuncia o segundo escalão do Governo de Pernambuco

Coluna do #PautaPolíticaPE

João Fernando Coutinho terá grupo político participando das eleições 2020 para prefeitura de Pesqueira

Grupo repudia tentativas de censura na Paixão de Cristo de Casa Amarela em Recife

2ª semana de janeiro tem superávit de US$ 1,766 bilhão na balança comercial brasileira

Produção de petróleo e gás natural em 2018

Silvio Costa Filho propõe criação de Frente Parlamentar em defesa do Pacto Federativo

Inscrições abertas para estágio de nível médio no MPPE

Coluna do #PautaPolíticaPE