Olinda inicia o melhor e maior Carnaval da História com alegria, paz, muita cultura e folia



Os clarins de Momo anunciaram, ao som de 19 agremiações, do show emocionante de Alceu Valença e outras atrações, o que foliões e foliãs do mundo todo esperavam ansiosamente: o início do Carnaval de Olinda, o mais tradicional do Brasil. Até uma chuva fininha chegou à noite para refrescar o corpo e a mente daqueles que acompanharam a festa montada em frente à Prefeitura da cidade nesta quinta-feira (23). Pela primeira vez, inclusive, a abertura foi ali. Mostrando, assim, como pede o tema da festa este ano, a alegria e a história juntas. Como continuarão unidas nas tradicionais ladeiras ou em cada um dos dez polos ou palcos descentralizados e multiculturais. Sim, ainda teve o encontro dos dois maiores símbolos da folia pernambucana e os homenageados. Muita coisa para caber em um primeiro parágrafo. Certamente, não coube também no coração de quem estava presente.

Como destacou o prefeito da cidade, Professor Lupércio, o compromisso dele e da gestão já está sendo cumprido desde a abertura: “Fazendo o melhor Carnaval que esta cidade já viu”. Depois o gestor agradeceu a presença de todos e pediu para que a festa ocorra em paz, antes de concluir: “Para quem disse que eu acabaria com Carnaval, declaro oficialmente aberto o Carnaval de Olinda”, exaltou Lupércio, por volta das 20h30.

O prefeito, acompanhado pelo vice, Márcio Botelho, e o secretário de Patrimônio e Cultura, Gilberto Sobral, entregaram quadros do artista João Andrade para os homenageados do Carnaval deste ano. O músico Erasto Vasconcelos – que faleceu no ano passado- e foi representado por familiares, e ao presidente do Homem da Meia-Noite, Luiz Adolpho.

Por falar no calunga gigante, pela primeira vez, ele e o maior bloco do mundo, o Galo da Madrugada, se encontraram na Marim dos Caetés. Tudo acompanhado pelo público que deu o tom da paz que deverá reinar nas ruas da cidade.

Após este momento foi a vez da irreverência, talento e da presença marcante de Alceu Valença, fazendo o que só um artista como ele é capaz de fazer: ter todas as músicas entoadas em coro pelo público presente e, certamente, por quem acompanhou pelo Facebook ou pela transmissão no Youtube.

Tudo isso foi só à noite, pois à tarde as ladeiras se tornaram palcos. Foram 19 agremiações entre blocos, troças, maracatus, bonecos gigantes e grupos de capoeira que se concentraram no Largo do Amparo para sair em cortejo pelas ruas históricas da cidade. Entre elas, os tradicionais como Cariri de Olinda – que participou pela primeira vez do desfile oficial que marca o início da festa de Momo, que veio com a habitual Chave da Cidade, representando o estandarte da troça. “É uma honra participar desse momento tão ímpar do Carnaval popular de Olinda”, declarou Mônica Siqueira, que faz parte da direção da troça.

Também estiveram presentes o Maracatu Leão Coroado, do mestre Afonso Aguiar, com 30 integrantes, entre batuqueiros e baianas; Pitombeira dos Quatro Cantos, com a ala de fantasias e orquestra de frevo. “Gostei do novo formato adotado pela gestão do Prefeito Professor Lupércio para abrir o Carnaval de Olinda”, revelou o presidente do bloco, Júlio Silva Filho. Pedro Salustiano, filho do saudoso Mestre Salustiano, marcou presença com 50 integrantes do maracatu de baque solto, Piaba de Ouro.

Fonte: Assessoria de Comunicação

Postagens mais visitadas deste blog

Reitora da UFRPE e secretário de Educação realizam reunião sobre creche escola em Dois Irmãos

Rodrigo Coutinho inicia reuniões da Comissão Especial do Plano Diretor do Recife na Câmara

TCE alerta DER para irregularidades na execução de contrato da BR-101

Após polêmica, Comissão de Cidadania define Juntas na presidência

Coluna do #BlogPautaPolítica

Em primeiro discurso na ALEPE, João Paulo Costa destaca prioridades do seu mandato

Coluna do #PautaPolíticaPE

"Vocês são considerados bandidos e assassinos", disse deputado ao presidente da Vale

Casal de bonecos, Zé Pereira e Vitalina, fazem tradicional viagem de barco pelo Velho Chico para anunciar o Carnaval

Wanderson Florêncio defende parque na Zona Sul do Recife e enfrenta protestos