Oposição vai ao Palácio pedir apoio da força nacional

A Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) protocolou na manhã desta terça-feira (21), no Palácio do Campo das Princesas, ofício endereçado ao governador Paulo Câmara, pedindo que o Estado solicite ao Governo Federal apoio da Força Nacional para reforçar a atuação da polícia e dos agentes de segurança durante o período carnavalesco. O ofício foi entregue pelos deputados Silvio Costa Filho (PRB), líder da Oposição; Joel da Harpa (PTN), vice-líder; Priscila Krause (DEM), Socorro Pimentel (PSL), Edilson Silva (Psol), Ossesio Silva (PRB), Augusto César (PTB) e Júlio Cavalcanti (PTB).

O pedido apresentado pela Oposição leva em consideração o aumento da criminalidade no mês de janeiro, quando foram registrados 479 assassinatos, 10.691 crimes contra ao patrimônio, 2.743 casos de violência doméstica contra a mulher e 148 estupros. Também chama a atenção da Bancada os incidentes ocorridos nesse período pré-carnavalesco, como o ataque à sede de uma empresa de segurança na madrugada desta terça-feira (21), na Zona Oeste do Recife.

A deputada Priscila Krause lembra que a preocupação da Oposição com a segurança não vem de agora, mas o Governo vem evitado o diálogo. “O que chama a atenção é a forma truculenta que o Governo do Estado reage às sugestões da Oposição. Falta tranquilidade e serenidade para gerir uma crise. Falta acima de tudo disposição. Porque se o Governo quiser, há espaço para o diálogo e para se construir uma saída para esse problema”, avaliou a parlamentar.

De acordo com o deputado Edilson Silva, os eventos que vêm acontecendo, como o ocorrido na última madrugada, mostram o quanto Estado está impotente pra combater a criminalidade. "Nós da Oposição estamos procurando dialogar com o Governo e fazendo um apelo para que haja diálogo com as forças de segurança. Lamentamos a declaração infeliz do secretário (Gioia) questionando a legitimidade da oposição para propor soluções para a segurança pública. É muito arrogância. Esse tipo de postura do Governo, através do secretário, não é algo que ajuda, e sim atrapalha", afirmou.

Ligado à categoria de policiais e bombeiros militares, o deputado Joel da Harpa destaca a baixa adesão dos policiais ao Programa de Jornada Extra da Segurança (Pjes). “São cerca de 13 mil homens que estão desistindo de trabalhar em suas folgas, reduzindo o efetivo nas ruas. Por isso estamos chamando a atenção para a necessidade da convocação da Força Nacional”, justificou.
Líder da bancada oposicionista, o deputado Silvio Costa Filho (PRB) defende a retomada do diálogo. “O Governo está querendo ganhar na força, mas está perdendo a guerra contra a criminalidade. É preciso que se tenha a humildade de ouvir os pernambucanos, porque não é uma situação desconfortável, como disse o governador, é uma situação de descontrole da segurança", destacou.

Os parlamentares destacam que a Oposição se mantém a disposição do Governo e da sociedade pernambucana para reconstruir os canais de diálogo e buscar alternativas para tirar o Estado dessa situação. “Vamos enviar ofício também aos Ministérios da Justiça e da Defesa e informar os ministros pernambucanos sobre esse pedido, para que eles possam contribuir com o que for possível”, reforçou Silvio.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Postagens mais visitadas deste blog

Reitora da UFRPE e secretário de Educação realizam reunião sobre creche escola em Dois Irmãos

Rodrigo Coutinho inicia reuniões da Comissão Especial do Plano Diretor do Recife na Câmara

TCE alerta DER para irregularidades na execução de contrato da BR-101

Após polêmica, Comissão de Cidadania define Juntas na presidência

Coluna do #BlogPautaPolítica

Em primeiro discurso na ALEPE, João Paulo Costa destaca prioridades do seu mandato

Coluna do #PautaPolíticaPE

"Vocês são considerados bandidos e assassinos", disse deputado ao presidente da Vale

Casal de bonecos, Zé Pereira e Vitalina, fazem tradicional viagem de barco pelo Velho Chico para anunciar o Carnaval

Wanderson Florêncio defende parque na Zona Sul do Recife e enfrenta protestos