Empresas de ônibus se protegem de assaltos demitindo cobradores e só aceitando Vem

Os motoristas de ônibus paralisaram as atividades em pleno Centro do Recife na manhã desta sexta-feira (24), provocando uma grandiosa fila de coletivos, que ocuparam as avenidas Guararapes, Conde da Boa Vista e Dantas Barreto. O principal motivo da manifestação foi a ameaça de demissão em massa dos cobradores.

O fato é que as empresas de ônibus do Grande Recife estão partindo para uma grande “ofensiva” contra os constantes assaltos sofridos pelos ônibus nos últimos tempos. Os empresários, através do Consórcio Grande Recife, estão estimulando as empresas a forçarem os usuários do transporte coletivo a substituírem o pagamento com dinheiro pelo Vem Comum.

Essa medida serve como uma máscara para outra ainda mais macabra: a demissão dos cobradores. A ação teria o objetivo de desestimular assaltos, já que haveria uma forte redução de dinheiro circulando nas mãos dos cobradores. Em compensação, de forma maquiavélica, empurra os assaltantes a roubarem apenas os usuários desse tipo de transporte.

Esse procedimento já vem sendo adotado por empresas do setor em outras capitais do Nordeste, como João Pessoa, cujos ônibus já circulam há muito tempo aos domingos sem cobrador. Em muitas linhas, mesmo nos dias úteis da semana, os coletivos circulam só com motoristas, que acumulam a função de cobrador e provocam o atraso das viagens nas horas de rush, por conta da necessidade de se passar troco.

Na capital paraibana, a categoria dos rodoviários é dividida e parte do movimento é financiado, inclusive, pelos próprios empresários do setor. Os cobradores perderam a batalha e a grande maioria sofreu com a demissão. Vamos ver se em Pernambuco a categoria vai ter força para vencer o projeto maligno dos patrões.