Pernambuco tem Carnaval mais violento em 7 anos, mas Governo do Estado esconde números da criminalidade, denuncia Oposição


Queda no número de foliões e aumento da criminalidade marcaram o carnaval de Pernambuco deste ano. Entre a sexta-feira e a Quarta-Feira de Cinzas foram registrados cerca de 85 homicídios em Pernambuco, o que representou um crescimento de 35% em relação aos casos registrados em 2016 e fez de 2017 o ano com o carnaval mais violento desde 2010.

Além do número de assassinatos, segundo dados levantados pela Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), também cresceram os crimes contra o patrimônio e os assaltos a ônibus, com mais de 674 assaltos a coletivos contabilizados de janeiro até o último dia 28, segundo dados do Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, num crescimento de 438% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o deputado Silvio Costa Filho (PRB), o crescimento da violência no Estado revela a falta de habilidade do Governo do Estado na área de segurança. “Infelizmente, vivemos este ano o carnaval do medo, com crescimento no número de homicídios, de roubos, assaltos a ônibus. E, no lugar de tratar o tema com transparência, o Governo de Pernambuco escolhe esconder os números, numa postura diferente da adotada pelos governos do PSB desde 2007", lembrou o parlamentar, acrescentando que o governador já trocou o secretário de Defesa Social, o chefe da Polícia Civil e duas vezes o comando da Polícia Militar, mas os números não param de crescer.

Segundo o deputado Edilson Silva (Psol), as ações adotadas pelo Governo do Estado não vem surtindo efeito na redução da violência. "A criminalidade transbordou para as beiradas do Carnaval. O Governo não faz menção à queda do público nem às ocorrências no Interior, onde aconteceu a maioria dos casos. Isto mostra que o Governo priorizou os focos da folia mais midiáticos da Capital, mas abandonou as outras cidades. Os policiais da Força Nacional, que a Oposição solicitou e o Governo desdenhou, poderiam ter mudado estes números trágicos", avaliou.

O deputado Joel da Harpa (PTN) ressalta a necessidade de reabertura de diálogo com a categoria para mudar esse quadro. “O Estado precisa retomar as conversas com os agentes de segurança. Em seu início, o Pacto pela Vida deu certo exatamente pela facilidade do diálogo. Não há como combater a criminalidade com a Polícia desaparelhada e sem ouvir os policiais. Afinal de contas, são eles que estão no front”, ponderou.

A deputada Priscila Krause (DEM) lembra a proposta que apresentou no plenário da Alepe de criação de um gabinete de crise para discutir e avaliar saídas para o atual quadro da segurança. “É preciso que o Governo do Estado tome a iniciativa de adotar medidas emergenciais para enfrentar os números da violência, que temos assistido atônitos se avolumarem. É preciso envolver todos os poderes e toda a sociedade nesse debate´”, defendeu.

Os parlamentares da Oposição reiteram o compromisso de contribuir para tirar o Estado da atual situação, que atinge a todos, independentemente de classe social ou coloração partidária. “A bancada de Oposição vai realizar uma audiência pública, ainda neste mês de março, sobre o Pacto pela Vida. É urgente uma rediscussão do Pacto com a sociedade e os deputados da Oposição continuam à disposição do Governo do Estado, como sempre estiveram, para ajudar na construção de uma alternativa para o combate à criminalidade, destacou Silvio.

Fonte: Assessoria de Comunicação

Postagens mais visitadas deste blog

Reitora da UFRPE e secretário de Educação realizam reunião sobre creche escola em Dois Irmãos

Rodrigo Coutinho inicia reuniões da Comissão Especial do Plano Diretor do Recife na Câmara

TCE alerta DER para irregularidades na execução de contrato da BR-101

Após polêmica, Comissão de Cidadania define Juntas na presidência

Coluna do #BlogPautaPolítica

Em primeiro discurso na ALEPE, João Paulo Costa destaca prioridades do seu mandato

Coluna do #PautaPolíticaPE

"Vocês são considerados bandidos e assassinos", disse deputado ao presidente da Vale

Casal de bonecos, Zé Pereira e Vitalina, fazem tradicional viagem de barco pelo Velho Chico para anunciar o Carnaval

Wanderson Florêncio defende parque na Zona Sul do Recife e enfrenta protestos