Oposição cobra ao governador explicações se houve encontro com executivos da JBS

A Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) cobrou explicações do governador Paulo Câmara e do prefeito Geraldo Júlio sobre as declarações do executivo da JBS, Ricardo Saud, envolvendo o PSB pernambucano. Na delação, Saud afirma ter sido procurado por Paulo Câmara e pelo prefeito Geraldo Júlio para tratar de doações da empresa para a campanha de 2014 e que teria liberado R$ 1 milhão para a campanha do governador.

“Saud fala, inclusive, em ter recebido, na sede da empresa, ao lado do empresário Joesley Batista, o governador do Estado e o prefeito do Recife. Li atentamente as notas divulgadas por Paulo e Geraldo e, no entanto, em nenhum momento vi nenhuma referência ao encontro. De fato houve ou não esse encontro com o delator? E se houve, e não foi tratado nada relacionado à campanha, o que o governador de Pernambuco e o prefeito da Capital foram tratar na sede da empresa”, questionou, Silvio Costa Filho (PRB).

O deputado Álvaro Porto (PSD), dissidente da base governista, cobrou coerência do governador, exigindo explicações públicas sobre as denúncias envolvendo o seu nome. “Paulo Câmara cobrou explicações do presidente Michel Temer e os pernambucanos esperam o mesmo dele. O governador vai renunciar, como propôs a Temer o prefeito Geraldo Júlio, de quem Paulo Câmara é aliado?”, perguntou o parlamentar.


Para Edilson Silva (Psol), presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos, o episódio é mais um que exigem explicações do PSB e de seus dirigentes. “É mais um entre tantos mal feitos ainda mais graves do núcleo duro do PSB em Pernambuco”, destacou.

Os parlamentares lembraram ainda que essa não foi a primeira vez que o PSB pernambucano e seus quadros são citados em delações ou envolvidos em operações da Polícia Federal. O PSB de Pernambuco já foi citado nas delações de Marcelo Odebrecht e outros executivos da construtora, além de terem sido alvo de sete operações da Polícia Federal. Foram cinco no âmbito da Lava-Jato (Vórtex, Filhotes, Vidas Secas, Politeia e Catilinárias) e duas que tratam especificamente de questões locais (a Fair Play, que investiga irregularidade na construção da Arena Pernambuco, e Turbulência, que apura um suposto esquema de corrupção que teria movimentado cerca de R$ 600 milhões desde 2010).

“O governador de Pernambuco, o prefeito do Recife e a direção do PSB devem explicações à sociedade pernambucana sobre esse encontro e sobre a afirmação de que teriam sido enviados R$ 1 milhão para a campanha do então candidato Paulo Câmara”, cobrou Silvio Costa Filho.

Bancada de Oposição da Alepe divulgou nota sobre a delação de Ricardo Saud da JBSA Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), assim como todos os pernambucanos, acompanharam perplexos os desdobramentos das delações dos executivos do grupo JBS, por envolver, nominalmente, o governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio. Em um dos trechos da gravação, o diretor da JBS Ricardo Saud afirma que destinou R$ 15 milhões para as campanhas de Eduardo Campos à Presidência da República e de Paulo Câmara ao Governo do Estado. Saud afirmou ainda que, após a morte do ex-governador, foi procurado por Paulo e Geraldo para que honrasse os compromissos acertados, como mostra o anexo 37, da delação, quando revela que:

“Geraldo Júlio, à época prefeito do Recife, e o então candidato a governador Paulo Câmara, fizeram reunião com Ricardo Saud e JB (Joesley Batista) na sede da J&F, na qual pediram que os pagamentos não fossem interrompidos e que JB ajudasse a eleger Paulo Câmara...”

Ainda no mesmo anexo, Saud revela que fora feitos pagamentos em espécie da ordem de:

“R$ 1 milhão entregues por André Gustavo Vieira da Silva em Recife/PE para Paulo Câmara.”

Não é a primeira vez que o PSB e seus quadros políticos são citados em delações no âmbito da Lava-Jato. Nos últimos meses estamos acompanhando delações, como dos executivos da Odebrecht, além de sete operações da Polícia Federal nos últimos três anos, que têm revelado a existência de um esquema de propinas para financiamento de campanhas do partido no Estado. Diante das novas denúncias agora tornadas públicas, a Bancada de Oposição cobra explicações, tanto do governador quanto do prefeito, sobre as denúncias e a negociação agora reveladas. A sociedade pernambucana quer saber: Essa visita à sede da J&F realmente aconteceu?

O PSB nacional cobrou, oficialmente, a saída do presidente Temer do cargo. Resta saber se vão adotar o mesmo critério em relação ao governador Paulo Câmara e ao prefeito Geraldo Júlio. Os pernambucanos merecem uma resposta, além das evasivas notas já publicadas.

Bancada de Oposição de Pernambuco

Fonte: Assessoria de Imprensa