Campanha: em defesa da plena liberdade dos jovens estudantes

Carta aberta à sociedade brasileira - Em defesa dos jovens que se tornaram réus em São Paulo apenas por participarem de manifestação pública em 2016.

A rede da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, maior e mais ampla articulação social em defesa dos direitos educacionais do povo brasileiro, com presença em todo o território nacional, vem a público se solidarizar com os 18 jovens e estudantes que se tornaram réus por participarem de um ato político legítimo em 4 de setembro de 2016.

Em despacho datado em 21 de agosto de 2017, a juíza Cecília Pinheiro da Fonseca, da 3ª Vara Criminal do Fórum da Barra Funda, Zona Oeste da cidade de São Paulo, marcou para 22 de setembro, às 14h30, a audiência de instrução, debates e julgamento dos acusados.

Correndo o risco de serem criminalizados apenas por exercerem seus direitos civis e políticos, os jovens estão sendo acusados de crimes de associação criminosa e corrupção de menores, em uma tentativa de transformar em delito a legítima participação coletiva em um ato da frente ?Povo sem Medo?, que pedia o ?Fora Temer? na Avenida Paulista da metrópole de São Paulo.

Na ocasião, o então capitão William Pina Botelho, codinome ?Balta Nunes?, atuou no protesto como agente infiltrado do Exército Brasileiro. Em dezembro de 2016 foi promovido a major, mesmo tendo sua conduta investigada pelo Ministério Público Federal.

No entanto, o Ministério Público do Estado São Paulo insistiu no caso, promovendo uma acusação que fere preceitos fundamentais da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, como os direitos pétreos à igualdade perante a lei, a liberdade de ir e vir, a liberdade de expressão, a livre associação política e o exercício de participação cidadã direta. Complementarmente, o Estatuto da Juventude (Lei 12.852/2013) reconhece, expressamente, o direito à comunicação, em adição a todos os preceitos constitucionais supracitados.

Como se não bastasse, o processo incorre em erros jurídicos graves, que afrontam o Estado Democrático de Direito, como o fato de que os jovens foram presos por aquilo que os agentes do Estado afirmaram que eles fariam, mesmo que não existam quaisquer provas nesse sentido.

Portanto, é com base nos ditames normativos nacionais e internacionais, em especial, a Carta Magna de 1988 e a Declaração dos Direitos Humanos de 1948, que a rede da Campanha Nacional pelo Direito à Educação se vê obrigada a clamar por justiça. Os 18 jovens estudantes não podem permanecer na condição de perseguidos políticos do Estado Brasileiro, ainda incapaz de garantir o básico em termos de direitos sociais, preconizados no Art. 6º da Constituição Federal.

Que a luta por justiça social, perante todas as iniquidades nacionais, não seja calada. Que jovens estudantes brasileiros jamais sejam silenciados. E que o Sistema de Justiça do Brasil não seja, contraditoriamente, promotor de injustiça.

Esse é o clamor da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, em defesa da plena liberdade dos jovens estudantes, com a devida retirada de todas as acusações formuladas.

Fonte: Assessoria

Postagens mais visitadas deste blog

Reitora da UFRPE e secretário de Educação realizam reunião sobre creche escola em Dois Irmãos

Rodrigo Coutinho inicia reuniões da Comissão Especial do Plano Diretor do Recife na Câmara

TCE alerta DER para irregularidades na execução de contrato da BR-101

Após polêmica, Comissão de Cidadania define Juntas na presidência

Coluna do #BlogPautaPolítica

Em primeiro discurso na ALEPE, João Paulo Costa destaca prioridades do seu mandato

Coluna do #PautaPolíticaPE

"Vocês são considerados bandidos e assassinos", disse deputado ao presidente da Vale

Casal de bonecos, Zé Pereira e Vitalina, fazem tradicional viagem de barco pelo Velho Chico para anunciar o Carnaval

Wanderson Florêncio defende parque na Zona Sul do Recife e enfrenta protestos