Carnaval 2018: Jota Michiles e Nena Queiroga são os homenageados do Recife


Para honrar a história do Frevo nas tradições carnavalescas do Recife, o Carnaval do Recife 2018 vai homenagear duas figuras representativas do ritmo que é Patrimônio Imaterial da Humanidade e símbolo maior da festa. O prefeito Geraldo Julio convidou no fim da tarde desta sexta-feira (10) Nena Queiroga e Jota Michiles para serem os artistas homenageados do Carnaval do Recife 2018.

"O Carnaval 2018 vai ser mais frevo do que nunca, porque no dia 9 de fevereiro comemoramos o dia do Frevo e teremos a abertura oficial do nosso Carnaval. Estamos aqui hoje anunciando os homenageados do nosso festejo, que são nada mais nada menos do que Jota Michiles e Nena Queiroga, que representam o frevo com tanta forca e talento, representando também toda nossa história, nossa tradição e o futuro do Recife, que passa pelo carnaval e pelo Frevo também. Eles estão animados e estamos aqui nos preparando para fazer uma grande festa. Vamos ter um grande Carnaval do Recife em 2018", afirmou o prefeito Geraldo Julio.

Emocionados com o convite, Nena Queiroja e Jota Michiles falaram do sentimento de representarem pessoas que se dedicam ao Frevo por toda a sua vida. "Eu não esperava por isso. Estou surpresa e extremamente grata. Não sei nem como descrever a emoção, principalmente por ser homenageada ao lado de Jota Michiles, uma figura ilustre da nossa cultura que admiro muito", falou emocionada a cantora Nena Queiroga, que é filha do compositor, radialista e humorista Luiz Queiroga e da cantora Mêves Gama, célebres representantes da era de ouro do rádio pernambucano e já acumula 39 anos de carreira com a música.

O compositor Jota Michiles, personagem sinônimo do Frevo em Recife, também falou da satisfação em ser lembrado pelo maior Carnaval do Brasil. "Eu achei que só íamos conversar sobre o Carnaval, opinar em alguma coisa sobre o Frevo, que é a nossa maior identidade musical e cultural. Quase morro do coração recebendo essa feliz surpresa! Estamos radiantes", comemorou o artista que se dedica à composição desde os doze anos e diz já ter nascido contaminado pelo micróbio do frevo, sendo gravado por Alceu Valença, Elba Ramalho, Claudionor Germano e André Rio, entre muitos outros,

CONHEÇA OS HOMENAGEADOS:

JOTA MICHILES - Michiles aprendeu música de ouvido. Sobrinho de Orlando Dias, é compositor desde os doze anos de idade. Apesar de ter também se dedicado a ritmos como maracatu, coco e forró ao longo de sua profícua carreira, foi entre os clarins de Momo que se consagrou e caiu na boca do povo. Um dos mais importantes, gravados - e dançados -compositores de frevo da atualidade, o professor de história José Michiles da Silva emplacou mais de 50 sucessos que são obrigatórios no Carnaval pernambucano, como “Bom Demais”, “Me Segura Senão Eu Caio”, “Diabo Louro”, “Roda e Avisa” e “Queimando a Massa”.

Em 1966, aos 23 anos, venceu o prêmio Uma Canção para o Recife, quando concorria com mestres como Capiba e Nelson Ferreira, mestres responsáveis pela formação de sua estética musical. Daí em diante, trocou definitivamente as salas de aula pelos estúdios. Exatos 20 anos mais tarde, estouraria seu primeiro sucesso, “Bom Demais”, na voz de Alceu Valença. O Carnaval do Recife nunca mais seria o mesmo.

NENA QUEIROGA - Maria Consuelo Gama de Queiroga é majestade no Carnaval Recifense. No maior bloco carnavalesco do mundo, quem canta de galo é ela, única mulher que, desde 2005, tem um trio próprio e faz todo o percurso do Galo da Madrugada cantando sem parar.

A paixão pela música, Nena trouxe do berço. Filha do compositor, radialista e humorista Luiz Queiroga e da cantora Mêves Gama, célebres representantes da era de ouro do rádio pernambucano, Nena cresceu entre microfones e ensaios.

Aos 12 anos, sempre acompanhando a mãe, começou a aprender com ela a usar a voz como ferramenta de trabalho. Passou a fazer pequenas gravações e até chegou a integrar um grupo infantil, o Quarto Crescente, com o irmão Lula Queiroga. Também foi na barra da saia de Mêves, cantora de orquestra e intérprete de frevo, que descobriu o Carnaval. E foi arrebatada no ato. Aos 16, já cantava em orquestras, animando bailes momescos, aos quais foi conduzida pelas mãos de ninguém menos que maestro Duda. A carioca criada no Recife, cidadã pernambucana e recifense, não desceu mais dos palcos da cidade. Já são quatro discos gravados, um DVD e muitos carnavais.

Fonte: Ascom/PCR