PSOL pede que seja investigada caso da carta anônima enviada ao diretório de história da UFPE

Nesta última terça-feira, dia 06 de novembro, foi deixada uma carta anônima no Diretório Acadêmico de História na Universidade Federal de Pernambuco, com ameaças e ofensas destinada a professores do Centro de Filosofia e Ciências Humanas e a estudantes, entre estes um ativista ligado ao PSOL no estado. A carta é carregada com teor misógino e LGBTfobico, com objetivo claro de intimidar e ameaçar os citados por envolvimentos políticos na luta por direitos sociais. Estendemos solidariedade a todos e todas pessoas citadas e repudiamos essa carta e tudo que ela representa nesse momento político delicado no país.

A forma que foi deixada e a não identificação demonstra a covardia de quem fez. O avanço do fascismo é um fato e não enxergar isso é negligenciar a segurança e a vida desses/as companheiros/as. A reação deve ser rápida e firme. Não aceitaremos qualquer ação intimidadora e discriminatória com esclarecida perseguição política. A história se repete, e já vimos onde isso desemboca.

Não recuaremos, o PSOL Pernambuco exige a apuração dos fatos e o posicionamento da Universidade Federal de Pernambuco sobre esse evento, que ameaça não só os citados, como também a democracia e a pluralidade que deveria existir em um ambiente educacional como este.

Direção Estadual do PSOL Pernambuco

Nota divulgada pela Universidade Federal de Pernambuco:

Postagens mais visitadas deste blog

Coluna do #BlogPautaPolítica

Inscrições abertas para estágio de nível médio no MPPE

João Fernando Coutinho terá grupo político participando das eleições 2020 para prefeitura de Pesqueira

Paulo Câmara anuncia o segundo escalão do Governo de Pernambuco

Coluna do #PautaPolíticaPE

2ª semana de janeiro tem superávit de US$ 1,766 bilhão na balança comercial brasileira

Coluna do #BlogPautaPolítica

Produção de petróleo e gás natural em 2018

Silvio Costa Filho propõe criação de Frente Parlamentar em defesa do Pacto Federativo

Grupo repudia tentativas de censura na Paixão de Cristo de Casa Amarela em Recife