Em Pernambuco, votação para os conselheiros tutelares não contará com urnas eletrônicas


Com informações do Blog da Folha - A votação para os conselheiros não contará com urnas eletrônicas no Estado, por falta de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE).“Significa um custo adicional enorme, vamos alugar 420 máquinas. A Emprel (Empresa Municipal de Informática) criou um sistema eletrônico semelhante ao das eleições convencionais”, explica Ana Farias. “É uma área que tem prioridade absoluta, que é a da infância, mas não contamos com o apoio do TRE-PE”, corrobora Lapenda, frisando que está confiante que o Tribunal ceda, ao menos, a listagem com zona eleitoral. A situação, no entanto, não é regra no País. No Rio de Janeiro, por exemplo, todos os municípios com mais de 200 mil habitantes utilizarão as urnas eletrônicas, mas arcarão com os custos. Somente a capital, terá quase 1.000 urnas à disposição.

Em nota, o TRE-PE afirmou que, desde maio, suspendeu o empréstimo de urnas eletrônicas para eleições não-oficiais, citando duas razões. A primeira é a ausência de "efetivo controle" do uso das urnas. "No período em que as urnas estão na posse das entidades requerentes, a Justiça Eleitoral não detém o efetivo controle de uso e destinação das mesmas. Assim, fica bastante difícil impedir a perpetração de fatos irregulares ou ilegais, com potenciais e consideráveis danos à imagem da Justiça Eleitoral e a segurança da urna eletrônica”. O segundo está ligado à "grande quantidade de servidores envolvidos numa eleição não-oficial". Sobre a lista de cadastro de eleitores, justificou que ela pertence ao Tribunal Superior Eleitoral e é regida pela por uma resolução que “veda a entrega de dados pessoais ou qualquer informação que possa identificar o eleitor e sua seção".

Fonte: Folha PE