Guilherme Boulos anuncia pré-candidatura pelo PSOL em chapa que terá como vice a líder indígena Sonia Guajajara


Com elogios de Lula, Boulos confirma pré-candidatura à presidência. A chapa terá como vice a líder indígena Sonia Guajajara. A filiação do candidato ao PSOL é esperada para o dia 10 de março.

O líder do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, confirmou pré-candidatura à presidência nas eleições 2018 pelo PSOL. O candidato terá como vice em sua chapa a líder indígena e coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Sonia Guajajara. A filiação oficial de Boulos ao partido é esperada para esta semana.

O anúncio foi feito no sábado 3 durante a Conferência Cidadã, em São Paulo, evento dedicado à apresentação da proposta do candidato que reuniu diversas lideranças sociais e simpatizantes à pré-candidatura. De mãos dadas com Sonia, Boulos afirmou “topar o desafio de se candidatar à Presidência”.

“Esse encontro é um retrato do que queremos, dar voz a indígenas, negros e negras, aos sem teto, artistas, mulheres, à comunidade LGBT, a toda essa gente que resiste e me inspira”, declarou. Ao falar em ousadia e coragem para tirar o País da crise e apresentar um projeto novo, o líder dos sem teto criticou duramente o governo de Michel Temer (PMDB).

“Hoje, o governo entrega e negocia nossos direitos no balcão falido do presidencialismo de coalizão. Nosso estado é voltado para o um por cento dos que detém a riqueza, é sequestrado pelas corporações. É urgente a necessidade de enfrentarmos os privilégios que fazem do Brasil um dos países mais desiguais do mundo, de resgatar a democracia com participação efetiva das pessoas”, declarou, reconhecendo que sua proposta terá como base a participação social e o diálogo com os movimentos sociais.

O pré-candidato assumiu diferenças políticas com o ex-presidente Lula, mas validou seu direito à disputa eleitoral. “As diferenças políticas não podem significar conivência com injustiça. O judiciário retirou no tapetão o candidato mais popular. Não podemos naturalizar uma condenação imposta injustamente quando os reais ladrões estão no Congresso”, condenou.

Boulos considerou grave o cenário de avanço das pautas conservadoras no País. “É grave ver ‘Bolsonaros’ sendo aclamados por defenderem pautas de tortura e extermínio, bem como o aumento da intolerância e o militarismo colocado em prática”, disse mencionando a intervenção federal proposta pelo governo Temer no Rio de Janeiro. “Ordem e paz se dá com garantia de direitos e combate às desigualdades”, defendeu.

Sonia Guajajara falou em “momento histórico” e defendeu o projeto encabeçado por ela e Boulos como uma possibilidade de reconstrução do País. “Vamos a partir da maioria, que somos nós, lutar contra as políticas de exclusão e extermínio, contra o modelo econômico depredador que temos em prática”. A pré-candidata à vice-presidência reafirmou o compromisso do projeto em dialogar com as comunidades indígenas e tradicionais, bem como com a população negra, moradores dos centros e periferias, mulheres, crianças e juventude e a comunidade LGBT.

A pré-candidatura de Boulos e Guajajara contou com o aval do ex-presidente Lula, que enviou um vídeo para a conferência. “Você sabe o quanto eu te respeito, o quanto gosto de você pessoalmente e quanto acho você uma pessoa de muito futuro na política. Jamais vou pedir para não ser candidato”, afirmou o petista na gravação.

Caetano Veloso marcou presença na apresentação da proposta - A noite da apresentação da proposta de governo contou com a participação de Caetano Veloso e Maria Gadu. O cantor, que não fez nenhuma referência política em sua apresentação, já tinha declarado seu apoio ao pré-candidato Ciro Gomes (PDT). Ao tocar a música “Um Índio”, Caetano recebeu um cocar de Guajajara e, em outro momento, a bandeira do MTST de Boulos.

Também presente entre os encorajadores da pré-candidatura, o deputado estadual do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, falou sobre o “nascimento de uma nova esquerda”. “Não vamos fazer aliança para ter mais tempo de TV, vamos trazer para dentro da política quem estava fora”, colocou. Freixo também comentou sobre o possível cenário de disputa entre Boulos e Lula. “Quero o Lula candidato. Nós não temos o direito de brigar dentro da esquerda. Precisamos fazer o debate olho no olho e apresentar as contradições, até porque sabemos bem quem precisamos derrotar nesse momento”, declarou.

O escritor Frei Betto citou a importância de apoiar um novo projeto para o país, mais do que propriamente uma candidatura. “Não precisamos mais de projetos de poder. A esquerda fala ao povo, pelo povo e não com o povo. O direito do povo acaba quando se escolhe os representantes, já que não interferimos na política, que se dá descolada de sua base”, refletiu.

Ao lado da ativista Leandrinha Du Art, o deputado federal Jean Wyllys falou sobre a necessidade de resgatar “a pouca democracia que nos resta” e sobre as reparações históricas que o País tem que enfrentar, “como a herança da escravidão e a promoção do respeito e igualdade às mulheres e comunidade LGBT”.

Os arquitetos e urbanistas Raquel Rolnik e Nabil Bonduki abordaram os desafios dos pré-candidatos a partir de reflexões sobre o direito à cidade. Para Rolnik, é preciso superar a lógica das cidades como negócio, que atende a interesses de incorporadoras e empreiteiras, e reverter também a lógica da política, hoje a favor dessa dinâmica. “É preciso começar a pensar a política a partir de cada comunidade, bairro, território e favela”, declarou a especialista. Bonduki reforçou a prioridade de agendas como moradia, transporte e saneamento básico para que se efetive o real direito às cidades.

Com um diagnóstico sobre a educação, o coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, elencou os desafios que recaem sobre os presidenciáveis. Cara falou sobre o descumprimento do Plano Nacional de Educação (PNE) e de alguns desafios brasileiros, como o de criar 7 milhões de matrículas nas universidades e lidar com 14 milhões de adultos analfabetos. Para o especialista, o Brasil não avançou na qualidade da educação. “E isso passa por inverter a lógica que temos, é preciso colocar a economia a serviço dos direitos sociais e não o contrário”.

O especialista dividiu a fala com a estudante Ana Júlia Ribeiro, que participou do movimento de ocupações das escolas pelo País. A jovem cobrou uma educação popular, emancipatória e que valorize os estudantes.

Também prestou apoio ao momento de pré-candidatura o escritor, rapper e poeta Ferréz que falou sobre a representatividade do encontro: "quando algum jornalista perguntar cadê a periferia, pode dizer que a porra da periferia está aqui", declarou. A cartunista Laerte, a vereadora de Belo Horizonte, Áurea Carolina, a militante Jupiara Castro, os professores da USP Laura Carvalho e Denis de Oliveira e as atrizes Maria Casadevall e Monica Iozzi também marcaram apoio no evento.

Fonte e fotos: Carta Capital

Postagens mais visitadas deste blog

Coluna do #BlogPautaPolítica

Inscrições abertas para estágio de nível médio no MPPE

João Fernando Coutinho terá grupo político participando das eleições 2020 para prefeitura de Pesqueira

Paulo Câmara anuncia o segundo escalão do Governo de Pernambuco

Coluna do #PautaPolíticaPE

2ª semana de janeiro tem superávit de US$ 1,766 bilhão na balança comercial brasileira

Coluna do #BlogPautaPolítica

Produção de petróleo e gás natural em 2018

Silvio Costa Filho propõe criação de Frente Parlamentar em defesa do Pacto Federativo

Grupo repudia tentativas de censura na Paixão de Cristo de Casa Amarela em Recife