Nota da ASA Contra a Fome e em Defesa do Consea


Fechar o CONSEA é ferir de morte o SISAN no Brasil, investir contra o princípio constitucional da participação social e condenar os mais pobres, sobretudo do Semiárido, da Região Norte e das periferias das médias e grandes cidades, à fome, à miséria e à morte.

NOTA - O Semiárido brasileiro reúne uma população de mais de 23 milhões de pessoas, das quais 9 milhões no meio rural. São cerca de 1 milhão e 700 mil famílias na agricultura camponesa (agricultores/as familiares, povos indígenas, comunidades quilombolas, catingueiros/as, geraizeiros/as, raizeiros/as, quebradeiras de coco, pescadores/as, ribeirinhos/as, vazanteiros/as e tantas outras identidades socioculturais). Estes/as são responsáveis por grande parte da produção de alimentos no país.

Apesar desta riqueza, é no Semiárido, sobretudo no rural, e nas pequenas cidades e periferias das médias e grandes cidades, que ainda existem dezenas de milhões de pessoas em situação de pobreza e de extrema pobreza (IBGE, 2018). Durante muitos anos a fome, a migração, a miséria e a morte foram os principais destaques e marcas do Semiárido. Nossos indicadores sociais se igualavam aos de países da África Subsaariana. A região era rotulada como problemática, sobretudo, por setores das regiões Sul e Sudeste. As soluções foram as mais diversas possíveis e aqui se cristalizou a política do combate às secas, das cestas básicas, das frentes de emergências e de toda sorte de humilhação de um povo.

Nos últimos anos, desde a Constituição de 1988, os indicadores sociais do Semiárido vêm mudando significativamente, se aproximando das outras regiões do país. Muito deste resultado se deu pelas políticas e redes de proteção social existentes atualmente na região. Podemos citar: a Aposentadoria Rural; as políticas de transferência de renda (a exemplo do Bolsa Família); os Programas de Acesso à Água (Água para Consumo Humano, a exemplo do Programa Um Milhão de Cisternas - P1MC, Água para Produção de Alimentos, a exemplo do Programa Uma Terra e Duas Águas - P1+2, Água para as Escolas Rurais, a exemplo do Programa Cisternas nas Escolas); Compras Institucionais, como o Programa de Aquisição de Alimentos - PAA e o Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE, que vincula a compra de 30% dos recursos repassados pelo Governo Federal à compra da Agricultura Familiar; o Garantia Safra; o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF); a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica; o Fomento à Produção; um conjunto de políticas de Economia Solidária; e tantas outras.

A maioria destas políticas surgiu nos debates, nas proposições e no engajamento do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA). São políticas e ações que tiveram e ainda têm papel significativo na

transformação para melhoria da vida das pessoas do Semiárido, fazendo com que esta população fosse capaz de resistir a uma das estiagens mais fortes e violentas da história (2011 a 2017), sem que houvesse morte humana e migrações em massa Nordeste-Sul. Igualmente contribuíram para retirar o país do Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas (ONU).

Por isso mesmo que nós, Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), que atuamos com o desenvolvimento do Semiárido brasileiro e que temos um dos assentos da sociedade civil no CONSEA, recebemos com surpresa, tristeza e pesar, a decisão do Governo recém empossado em revogar, por meio da Medida Provisória 870, de 01/01/2019, disposições constantes da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (LOSAN), que visam assegurar o direito humano à alimentação adequada para todos/as os/as brasileiros e brasileiras.

A nosso ver, a medida contraria o Artigo 6º. da Constituição Federal, que estabelece os direitos sociais, dentre eles, o direito à alimentação. Com o objetivo de garantir estes direitos sociais, individuais e coletivos, a Constituição de 1988 estabeleceu a estruturação de sistemas públicos, a exemplo do Sistema Único de Saúde (SUS), Sistema de Assistência Social (SUAS) e, em 2016, o Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN).

Dentro do SISAN, o CONSEA se constitui num espaço importantíssimo de controle social e, mais que tudo, de construção de propostas e políticas sobre a alimentação saudável, elemento essencial e vital para o ser humano. A experiência do CONSEA espalha-se por vários países da América Latina e é estudada em várias universidades do Brasil e do Mundo, inclusive na ONU.

Extinguir o CONSEA é ferir de morte o SISAN e, por sua vez, as políticas de segurança alimentar e nutricional, condenando, sobretudo, as populações do Semiárido, da Região Norte e das periferias das médias e grandes cidades, à fome, à miséria e à morte. Significa privar a Presidência da República e, por sua vez, a população, de um importante órgão de assessoria com a participação da sociedade civil, que atua na implementação e no controle de Políticas Públicas que mudaram a vida de milhões de brasileiros/as.

Um Governo que pretende ser verdadeiramente democrático precisa assentar a construção de suas estratégias e políticas em processos que assegurem a participação social de forma autônoma e independente.

Neste momento em que se inicia um novo ciclo de governos, tanto na esfera nacional como estaduais, onde o conjunto da população deseja acertos nas políticas econômicas e diminuição das desigualdades sociais, a fome cresce no Brasil (dois milhões de pessoas a mais somente em 2017), ameaçando o nosso país a voltar ao Mapa da Fome. A erradicação desta tragédia exige o melhor de nós: governo e sociedade civil.

A ASA junta-se àqueles e àquelas que se surpreenderam com a extinção do CONSEA (cidadãos/ãs comuns, parlamentares, pesquisadores/as e intelectuais; movimentos e organizações sociais; e organismos internacionais) e acredita que o fechamento do mesmo tenha sido um equívoco, normal em inícios de governos, que necessita imediata revogação do Presidente Jair Bolsonaro.

Da nossa parte, a ASA, comprometida com o bem viver da população do Semiárido e do Brasil, se coloca na condição de sempre debater, defender, propor e executar políticas de convivência com o Semiárido, no intuito de garantir os direitos dos povos e comunidades da região.

Nosso maior desejo é que o CONSEA continue sua trilha exitosa de construção e controle social de políticas públicas que visam a segurança alimentar e nutricional do Povo Brasileiro!

Semiárido Brasileiro, 03 de janeiro de 2019

Articulação Semiárido Brasileiro (ASA)

Postagens mais visitadas deste blog

Coluna do #PautaPolíticaPE

Paulo Câmara anuncia o segundo escalão do Governo de Pernambuco

Coluna do #BlogPautaPolítica

João Fernando Coutinho terá grupo político participando das eleições 2020 para prefeitura de Pesqueira

Grupo repudia tentativas de censura na Paixão de Cristo de Casa Amarela em Recife

Produção de petróleo e gás natural em 2018

2ª semana de janeiro tem superávit de US$ 1,766 bilhão na balança comercial brasileira

Silvio Costa Filho propõe criação de Frente Parlamentar em defesa do Pacto Federativo

Coluna do #PautaPolíticaPE

Paulo Câmara recebe senadores para debater projetos prioritários para Pernambuco